Carreira, Coaching, Planejamento

Você fez o que planejou em 2017?

Em geral os artigos nesta época de dezembro questionam e incentivam as pessoas a se prepararem para o novo ano. Sonhos, desejos, objetivos, planos e metas são traçados e mentalizados na virada do ano, junto das uvas com champanhe, romã, lentilha e as ondas que devem ser puladas nas primeiras horas de janeiro.

Proponho algo diferente para este momento. Que tal pegar aquela lista amassada na terceira gaveta da mesa, a planilha que foi arquivada pela última vez em 2 de janeiro de 2017 ou mesmo a listinha de desejos que está no seu arquivo de notas do celular? Vamos ver o que foi efetivamente realizado no ano que se conclui?

Caso tenha encontrado o registro de atividades, o que já é uma vitória, observe item a item e responda a si mesmo o quanto conseguiu cumprir. Mesmo que não a tenha encontrado, tente se lembrar das famosas promessas de ano novo. Quanto foi realizado? 10%, 40% ou 70%? A meta de eliminar cinco quilos aconteceu? O desejo de investir para aquela viagem chegou a bom termo? Começou aquele curso? Enfim, observe tudo que ocorreu no ano. Sem dúvida, há inúmeras coisas que você alcançou, mesmo que não estivessem em sua lista de resoluções para o ano novo que se iniciou há doze meses. Seguir adiante é parte da vida e seguramente há inúmeras conquistas a se registrar. Algumas aparentemente pequenas, mas que trouxeram muito prazer. Outras maiores, mas sem sentido neste momento.

Agora, se seus objetivos continuaram pendentes e serão encaminhados para planilha de objetivos de 2018, há algo a refletir. Procrastinar os sonhos pode ser um sinal de que há algum sabotador no seu caminho. E mais perto do que se possa imaginar. Afinal, na maioria das vezes, nós mesmo somos nossos sabotadores. Sabe aquela história de “não nasci com esse dom”, “nunca consigo finalizar nada”, “acho que me falta sorte”, “não sou a pessoa certa para planejar os objetivos”? Enfim, na maioria das vezes, somos os responsáveis pelos desejos que não se realizam. Claro que ninguém começa o dia desejando deixar os objetivos de lado, desperdiçando energia e desdenhando alguma motivação para realizar seus planos. Mas, infelizmente, a nossa mente nem sempre segue o que gostaríamos de realizar. Mesmo sabendo que é difícil mudar hábitos, pesquise como muda-los.

Charles Duhigg, autor do livro “O Poder do Hábito”, diz que a mudança de um simples hábito pode impactar várias áreas da sua vida. Para o autor, os hábitos se estabelecem porque o cérebro está continuamente procurando maneiras de poupar esforço. Um hábito é uma escolha que fizemos deliberadamente em algum momento e depois paramos de pensar a respeito, porém continuamos repetindo-a, às vezes diariamente. Basicamente, o hábito funciona de forma automática, como se fosse um moto-contínuo em busca de uma recompensa.

A rotina faz com que um hábito se estabeleça e será através dela que outro hábito poderá ser colocado no lugar. Sim, isto é possível. Basta conversar com algum adicto que venceu o vício através da mudança de hábito. Quem largou o cigarro após fumar por muitos anos sabe o quanto o hábito dificulta o processo, tanto quanto a dependência química. Aliás, é justamente mudando o hábito que começamos a abandonar o vício.

Para se ver livre de um hábito, é fundamental querer mudá-lo. Deve-se identificar quais recompensas buscamos com o hábito estabelecido e identificar alternativas viáveis para tais recompensas. E estabelecer novos hábitos com novas recompensas, mais conscientes e relacionadas com os nossos objetivos.

Muitas mudanças levam tempo e, às vezes, exigem tentativas e fracassos. Mas, uma vez que se compreende como um hábito funciona, ganha-se poder sobre ele.

Voltando aos objetivos para 2018, recente pesquisa do Datafolha demonstra que o brasileiro é imediatista e possui baixíssima tendência às ações sobre seu futuro. Apesar da pesquisa estar relacionada à capacidade de poupança, indicando uma resistência das pessoas a abrir mão de consumo no presente em troca de poupar e elevar recursos no futuro, o estudo revela que a paciência do brasileiro é baixíssima e que há um imediatismo exacerbado presente na nossa cultura.

Fica a questão: – vale a pena fazer planos, se somos imediatistas e nos rendemos a hábitos arraigados? Pense nisto antes de fazer a próxima lista de desejos. Mas, caso a faça, busque ajuda caso sinta que estes aspectos impactam sua capacidade de execução. Como diz Fernando Pessoa, “há só um caminho para a vida, que é a vida”. Então escolha como quer viver…

 

Padrão
Finanças Pessoais, Planejamento

Suas finanças e o 13º salário

Em geral, a chegada do final do ano traz angústia e preocupação aos empresários e alívio aos assalariados. De um lado, as despesas com o pagamento de décimo terceiro, férias – pior se forem coletivas –, e a perspectiva de redução nas vendas nos primeiros meses do ano seguinte preocupam os primeiros assim como a receita extra agrada aos segundos.

Em ambos os casos, a solução está no planejamento financeiro. No caso das empresas, a criação de uma provisão efetiva ao longo do ano, além daquela efetuada na contabilidade, garante que o fluxo de caixa não seja afetado com as despesas adicionais do final do exercício fiscal, resolvendo qualquer desequilíbrio de caixa. Uma consultoria especializada pode ajudar a equalizar esta questão e resolver o problema da gestão financeira, principalmente em empresas com produtos ou serviços que sofrem com a sazonalidade, em que as despesas certamente seguirão implacáveis e ocorrerão todos os meses, mas as receitas, nem sempre.

No caso dos assalariados, receber o décimo terceiro salário e as férias pode se tornar um evento com sentimentos ambivalentes no tempo. Inicialmente, um alívio, tanto para aqueles que têm dívidas acumuladas e podem usar a receita extra para quitá-las, quanto para os que não as têm, casos raros atualmente. Num segundo momento, pode ser uma angústia. Explico.

O risco está em utilizar inadequadamente a renda adicional e perceber, durante o período de festas ou de férias, que há mais tempo que dinheiro até o próximo crédito. Ao receber salário, décimo terceiro e férias em dezembro, o salário do mês seguinte só virá em meados de fevereiro, quase sessenta dias após ter recebido o líquido de férias. Aquela sensação boa de ter recebido muito dinheiro de uma vez será substituída pela angústia de perceber que o tempo é mais longo que as necessidades. Muitas vezes, é neste momento que novas dívidas se iniciam, com a resolução ocorrendo somente no final do ano, repetindo-se o ciclo aparentemente infindável de angústia e juros.

O segredo, qualquer que seja a sua situação, é pensar num prazo mais longo. Comece identificando todas as despesas que terá até que o próximo crédito de salário ocorra e reserve o valor necessário para quitá-las. A partir daí, pense em como gastar o que sobrar, caso sobre. Caso ainda falte, procure divertir-se em casa, com amigos próximos e em programas alternativos ou gratuitos. Use a criatividade. Geralmente é mais barato.

Pensando um pouco mais longe, para se ter muito dinheiro no bolso e saúde prá dar e vender no ano que vai nascer, procure se organizar a partir de agora. Conheça, estime e acompanhe periodicamente suas receitas e despesas. Isto é essencial para qualquer planejamento, seja para a gestão financeira do dia a dia ou para atingir objetivos de médio ou longo prazos, como sair em viagem, permitir que você ou algum filho ou filha curse uma boa universidade, no Brasil ou no exterior, ou comprar um imóvel.

Deixar que receitas e, principalmente, despesas sigam sem acompanhamento e controle faz com que a perspectiva de um futuro financeiro fique à mercê da sorte. Conhecer e gerir sua vida financeira certamente permitirá ajustes ao longo do período e garantirá a geração de reserva para atingir seus planos.

Aliás, o planejamento financeiro só faz sentido se houver objetivos a se buscar. Trace metas que sejam significativas e as transforme em números para que os seus resultados sejam possíveis de mensuração e acompanhamento. Uma vez que dinheiro é um meio e não um fim, se não tivermos objetivos, para que teremos uma poupança? Será que a ausência de desejos realizáveis faz com que se poupe tão pouco neste país?

Padrão